va·lor |ô|
(latim valor, -oris)
substantivo masculino

  1. O que vale uma pessoa ou coisa.
  2. Preço elevado.
  3. Merecimento; talento; reputação.
  4. Coragem; valentia

“valor”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

Esta é uma das palavras que surge quase de imediato, quando penso em imobiliário. Sabemos o que quer dizer, mas a questão que lanço é a seguinte: Existirá uma consciência global sobre a importância e a aplicabilidade do conceito de valor nas várias vertentes do mercado imobiliário?

Gostava de vos convidar a refletir sobre este tema.

Na minha perspetiva, este conceito é transversal às duas dimensões da essência do setor: imóveis e pessoas.

Começamos pela primeira. Observe a sua carteira de imóveis. Todos são únicos, no entanto, existem alguns mais valiosos do que outros. O imóvel é na essência, um bem material, com um conjunto de características, ao qual é atribuído um determinado valor. A tipologia, as áreas, a localização, o gabinete de arquitetura responsável pelo projeto e a conjuntura do mercado são apenas algumas das variáveis que podem influenciar o seu valor. Neste caso, o conceito remete para o preço. O tal preço elevado que a definição acima menciona. Efetivamente comprar uma casa requer condições específicas e um determinado nível de disponibilidade financeira.

O valor do imóvel é algo que está fora do controle do consultor imobiliário. São fatores externos a si e à sua ação que determinam o preço a atribuir.

Quando passamos para a segunda dimensão, as pessoas, observamos dois grupos. Por um lado, temos os clientes e, por outro, os profissionais do setor. É da relação entre ambos que nascem oportunidades e se concretizam negócios.

Observe a sua carteira de cliente. Cada um tem características, uma história e necessidades que fazem dele alguém único. Com base neste pressuposto, será possível assumir que cada cliente tem um valor único? Independentemente do seu poder económico ou do preço do imóvel que vai vender ou adquirir?

Neste caso, o valor é algo intangível que é determinado por cada consultor imobiliário. A escolha será feita com base nas suas crenças, valores profissionais e critérios de avaliação.

E outra questão que surge. Qual é a qualidade da relação profissional que cada consultor vai construir com o seu cliente?

Uma relação onde existe empatia, dedicação e confiança, será sinónimo de valor?

Se partirmos do princípio que, valor é acrescentar algo, sim será. Nestes cenários, os consultores imobiliários também têm a capacidade de decidir o significado e o valor que querem atribuir aos seus clientes e às respetivas relações que se estabelecem.

Depois, chegamos à pessoa que escolheu dedicar-se profissionalmente ao imobiliário. Uma pessoa com uma proposta de valor única. Algo que mais ninguém pode oferecer. Existem mais de 40 000 profissionais em Portugal. Em comum, têm a especialização na área da consultoria imobiliária, mas não existem dois agentes que trabalhem da mesma forma e ofereçam exatamente o mesmo serviço. Cada um irá apresentar uma proposta que, no conjunto, é diferenciadora, como resultado de quem é, do conhecimento que possui e da forma como pensa, interage, comunica e atua.

Por fim, coloco uma última questão: O que significa ser um consultor imobiliário de valor? Acredito que, de uma forma geral, os setores merecem ser representados por profissionais talentosos, íntegros, bem-sucedidos e realizados. E que está ao alcance de todos decidir construir uma reputação e uma marca pessoal de valor reconhecida por ter um impacto positivo no mercado onde atua.

Numa área tão especial como o imobiliário, onde existem sonhos, objetivos, emoções, relações e histórias, também faz sentido que assim seja. Concordam?

Se um consultor imobiliário quiser elevar o seu valor no plano profissional existem quatro pontos-chave que ao serem integrados e aplicados na prática, inevitavelmente, vão gerar resultados nessa direção.

Auto-responsabilização

A construção de valor pessoal e profissional começa com a decisão de assumir responsabilidade. Por quem é e por quem quer ser. Pelos pontos fortes e pontos a melhorar. Pelas conquistas e falhas. Pelo discurso interno e discurso interno. Pelos sonhos que vivem no pensamento e objetivos manifestados em ações concretas. Pelas crenças limitadoras e as crenças que elevam potencial.

Assumir a força do poder pessoal começa com a consciência de que não existem fórmulas mágicas nem atalhos. Tudo depende de si. Estabeleça prioridades, gere ação e inicie um processo de liderança pessoal em direção à concretização de objetivos e realização profissional.

Autenticidade

A beleza do ser humano começa pela sua singularidade. Uma marca pessoal única que se nasce no primeiro dia de vida e vai evoluindo com o passar do tempo. Uma marca dinâmica que se constrói através de uma personalidade, crenças, conhecimento, aprendizagens e experiências. Quando existe consciência dessa singularidade e ela é valorizada, o próximo passo é assumi-la de forma honesta e verdadeira.

As marcas são influenciadas e inspiram-se noutras, isso é natural, e completamente diferente da cópia e da imitação. Mas quando existe “colagem” a outra marca é diferente, aí a autenticidade já não está presente.

Na sua comunicação e nas suas ações assuma a sua essência e o seu estilo diferenciador. Partilhe com os seus clientes e colegas quem é, e não uma persona que não corresponde à realidade.

Empatia

Num negócio de pessoas para pessoas, como diz o Massimo Forte, temos de começar por uma das formas de comunicação mais preciosas do ser humano. Esta soft skill é fundamental no processo de criação de relações de valor. A capacidade de compreensão, a escuta ativa e o ato de se colocar no lugar do outro são essenciais para criar conexão e confiança. A empatia trabalha-se.

Como? A estudar disciplinas como a Inteligência Emocional e a Programação Neurolinguística. Através de ações diárias. Em pequenos e grandes gestos.

Identifique pessoas com as quais tem conflitos ou gostaria de melhor a qualidade da relação e pratique.

Contribuição

O poder individual elevasse quando é partilhado com os outros. Seja com um cliente, um colega, um parceiro ou junto da sua comunidade (online ou offline) faça estas perguntas.

Como posso contribuir? O que posso dar? Como posso apoiar? O que posso acrescentar?

A contribuição pode ser em forma de uma peça de comunicação gratuita onde dá dicas sobre um tema que domina e que pode ser útil aos seus clientes. Pode ser através de mentoria junto de um colega que acabou de entrar no mercado. Ou pode ser um ato de responsabilidade social em que decide apoiar uma causa solidária com a qual se identifique.

Pense que tipo de ação poderá gerar de forma regular e consistente. Ao fazê-lo estará a dar o seu contributo único e a elevar a sua marca pessoal.

Será que o valor no imobiliário está dentro de cada consultor?

Foque-se naquilo que está ao seu alcance. Transforme e eleve o seu poder pessoal. Ele está dentro de si e reflete-se em cada escolha e em cada ação diária.

Valorizar-se não é um ato de egoísmo nem significa ser melhor do que outra pessoa, significa apenas que está a assumir e celebrar a sua singularidade. É ela que vai atrair os clientes, as oportunidades e a realização que procura.

Não tente ser igual a ninguém, simplesmente seja você mesmo. E se achar que existe espaço para melhorar quem é, então faça esse trabalho. Dedique tempo e invista nesse grande objetivo. Criar a sua melhor versão profissional é criar valor para si próprio e para os outros. E, se valor também é coragem, como nos mostra a definição inicial, assuma a sua.

COMO DEVEMOS ULTRAPASSAR ESSA CRISE
PARTICIPAR
PARTICIPE / FAÇA-SE OUVIR