Depois de vários anos de subidas de preço generalizadas e contínua escassez de produto imobiliário, principalmente nos locais mais apetecíveis e que não são apenas os mais centrais, começa-se a verificar uma alteração da tendência de descida do asking price (preço pedido pelo imóvel diferente do preço a que é efetivamente vendido em escritura, tendencialmente, é mais baixo) e aumento de produto disponível.

Na última semana de Agosto resolvi fazer uma experiência, em vez de ir à internet e passar uma horas a verificar todos os sites e portais que anunciam imóveis com ou sem agências, decidi pegar nos ténis mais confortáveis que tinha, os meus já velhos ténis Gola e delineei uma zona central de Lisboa, neste caso Alvalade, para durante uma manhã, levantar todos os contactos possíveis de imóveis que estivessem anunciados por placa, para depois contactar e perceber a realidade e sensibilidade do mercado ao nível da oferta.

Descobri que há cada vez mais placas, e muitas já estão há mais de 6 meses. Só pelo telefone e pela história que alguns proprietários e agentes imobiliários relatavam.

Descobri que todos os preços pedidos são negociáveis, só pelo telefone conseguia baixar o asking price (valor pedido) em cerca de 15 a 20%, isto sem sequer ter visitado qualquer imóvel.

Descobri que várias placas de arrendamento, podem ser imóveis para venda se a proposta for ao encontro do proprietário, normalmente são casas que não se conseguiram vender numa primeira fase de promoção, pelo menos pelos valores pedidos, e agora como estratégia de defesa do ativo, em vez de se vender passam para opção de arrendamento.

Descobri outra coisa muito interessante, a abertura com que as pessoas atendiam o telefone e mesmo se disponibilizavam para falar pessoalmente, claro, sempre com máscara e distanciamento.

Descobri com esta ação de prospeção ativa um elevado número de imóveis em obra, e em vários estágios, obra inicial, fase intermédia, ou mesmo a finalizar, tendencialmente eram imóveis já vendidos para obra e que agora estavam a ser preparados para a entrada dos novos proprietários que decidiram renovar ou tornar o imóvel habitável.

Costuma-se dizer que nestas alturas, que são alturas de mudança de ciclo ou de descida de mercado, são alturas para se fazer bons negócios, na minha análise in loco que não usou numa primeira fase a internet para ganhar sensibilidade e falar diretamente com as pessoas para captar sentimentos e sensações que as mesmas me iam transmitindo,  observei e verifiquei que realmente o mercado começa a mudar, as casas começam a demorar mais tempo para se vender, e os valores pedidos começam a não se aguentar à espera de uma melhor proposta perto do asking price e que por isso estão cada vez mais sensíveis a eventuais descidas, no entanto, isto não quer dizer que o valor de venda esteja a baixar, quer dizer sim que há sensibilidade para ajustar o preço pedido, aos preços da procura.

Por fim, a registar um aumento considerável de placas de arrendamento, ou seja, oferta e uma proporção de imóveis para venda com Agência Imobiliária muito superior à venda direta pelo proprietário, pelo menos, guiando-me pelas placas que estão visíveis, porque outra situação a ter em conta e que verifiquei, foi que de forma frequente é fácil descobrir alguns imóveis que estão à venda recentemente e que não têm nenhuma placa, nem da agência nem do proprietário. São imóveis mais difíceis de encontrar, pois será necessário falar com pessoas do prédio, da zona, com encarregados de obra, porteiras, vizinhos, cafés, entre outros, mas também, altamente apetecíveis e gratificantes, pois quando se encontra um imóvel que não está anunciado em lado nenhum, temos a sensação de que encontrámos uma verdadeira oportunidade, claro, dependendo das expectativas de quem o está a vender!

Para concluir e baseando-me apenas nesta pequena experiência, posso afirmar que na minha zona começa a haver cada vez mais oferta, que os valores pedidos começam a cair e que embora não se registem grandes descidas nos valores finais de fecho, estão definitivamente a reajustar-se a nível dos asking prices, o que o pode levar a pensar que, afinal, aquela casa que pensou que não estava ao seu alcance, pode até ser uma hipótese para quem decidir mudar.

Para quem acha que chegou realmente a sua hora de comprar, faço um convite, descubra a zona onde quer viver a pé ou contrate um Agente Imobiliário competente que o faça por si, porque já existe este serviço em Portugal e é muito útil para quem queira poupar tempo e dinheiro apoiando-se num verdadeiro profissional que pode ajudá-lo a tomar a melhor decisão de compra.

COMO DEVEMOS ULTRAPASSAR ESSA CRISE
PARTICIPAR
PARTICIPE / FAÇA-SE OUVIR